nota sobre " usos justos "

esta webpage poderá conter imagens e citações sujeitas a direitos de autor, cuja utilização não haja sido especificamente autorizada pelo proprietário desses direitos. XITIZAP torna esta webpage disponível na tentativa de fazer avançar o entendimento da sustentabilidade ecológica e outras questões de justiça ambiental. XITIZAP considera que isto constitui uma utilização justa do material sujeito a direitos de autor tal como prescrito nas secções relevantes das leis planetárias.

Contudo, se porventura XITIZAP houver utilizado involuntariamente qualquer material sujeito a direitos de autor, solicita-se ao detentor desses direitos que traga o assunto à nossa consideração por forma a que o devido reconhecimento seja feito. Caso V. Excia. queira utilizar materiais eventualmente sujeitos a direitos de autor para propósitos que ultrapassem um "uso justo", deverá então obter permissão por parte do detentor desses direitos.

xitizap

é uma iniciativa editorial privilegiando a energia, a sustentabilidade ambiental, a divulgação da astronomia … e outros tópicos da ciência popular

Text Box: 52

xitizap # 53

tarifas e subsídios Mozal

lições de Massingir

Vêm aí as GICs?

GICs e latitudes

o Guarda-Fios

soltas

campo magnético caótico

 

Robin Hood e a Eskom

 

No ano fiscal 2008/9, a Eskom perdeu 5,850 GWh devido a ligações ilegais à sua rede – estes roubos, que correspondem a cerca de metade das exportações anuais de Cahora Bassa (HCB) para a Eskom, implicaram uma perda de receitas ao tesouro sul-africano na ordem de 4.4 biliões de Rands (US $ 590 milhões) se se tomar em conta as vendas municipais e a electricidade que é fornecida a preço zero aos consumidores mais carenciados.

 

Para que se tenha ideia do efeito Robin Hood numa empresa que tem vindo a prestar maus serviços aos seus consumidores, recorde-se que, no ano fiscal 2008/9, a Eskom vendeu 214,850 GWh e declarou 11,706 GWh como perdas totais – como curiosidade, refira-se que, em Moçambique (excluindo a Mozal que é cliente da Eskom), o consumo interno anual (2009) não ultrapassou os 2,350 GWh.