Text Box: xitizap # 36

nov 2007

Text Box: o cabrito come onde está amarrado

 - provérbio moçambicano

xitizap # 36

bom dia Cahora Bassa

o veto dos comissários

procurement World Bank

quem tem medo de HVDC ?

Sambódromo Zambeze

Lacan em Timor

 

Vale do Shire e Lago Niassa

 

Malawi pesquisa petróleo

 

O governo do Malawi confirmou recentemente estar em negociações com empresas da Malásia e USA visando a prospecção de petróleo naquelas zonas.

 

 

enquanto a malta dos slide-shows se entretem com miragens, saiba que ...

 

ESKOM

 

Em resposta ao seu apelo no sentido de as indústrias sul-africanas desenvolverem investimentos de co-geração eléctrica que aliviem a forte pressão da demanda, a ESKOM actualmente procede à análise de múltiplas propostas totalizando mais de 5000 MW – o equivalente a uma das super-centrais a carvão actualmente em desenvolvimento na África do Sul, ou quatro Mphanda Nkuwa.

 

Segundo Jacob Maroga (CEO da ESKOM), estas propostas superam substancialmente as previsões iniciais da ESKOM (900 MW) e poderão ser levadas a cabo em 18 a 24 meses.

 

Numa outra perspectiva, a ESKOM tomou uma decisão estratégica ao limitar as suas importações a 15% (definido como margem de reserva óptima) e, para o efeito, a empresa planeia atingir uma capacidade de geração eléctrica na ordem dos 80 000 MW em 2025 - cerca de metade deste duplicar da actual base de geração eléctrica ESKOM será feito por recurso a centrais nucleares.

 

No entretanto, Jacob Maroga confirmou que a ESKOM está em avançado estado de negociações de um Power Purchase Agreement (PPA) com a canadiana CIC Energy com vista à construção de uma central a carvão 2 250 MW no Botswana (3 x 750 MW) junto à fronteira com a África do Sul. Segundo a Engineering News, a CIC Energy pevê concluir as negociações com a ESKOM ainda em 2007 e estima que a construção da central de Mmamabula tenha início no segundo trimestre de 2008.

 

Um pouco mais ao lado, a Nampower e ESKOM refinam o projecto de construção de uma central a gás na Namíbia alimentada pelos depósitos de Kudu (CCGT 800 MW), e espera-se que uma decisão final seja tomada durante o primeiro trimestre de 2008. Ainda no âmbito desta iniciativa, as autoridades da RSA e Namíbia planeiam construir um gasoducto de 700 km com vista ao aumento da oferta de gás natural no Western Cape.

 

E, já agora, para quem queira atravessar a fronteira da Namaacha, talvez importe saber que fontes oficiais do Reino Swazi afirmam estar na fase final dos estudos de viabilidade relativos à construção de uma central térmica a carvão de potencia entre 1000 e 2000 MW com base nos seus próprios recursos carboníferos – a exportação para a ESKOM é o principal objectivo do empreendimento.

 

 

Sasol

 

A petroquímica Sasol planeia expandir a sua oferta de combustíveis líquidos na região SADC via dois projectos:

 

(a) um novo projecto CTL (coal-to-liquids) denominado Mafutha que, em velocidade cruzeiro atingirá 80,000 bl/d (barris por dia).

 

(b) expansão da sua unidade em Secunda em 30,000 bl/d por recurso a uma nova tecnologia de gasificação de finos-de-carvão – neste processo a Sasol recorrerá a uma mistura de coal-fines (5%) e de gás natural de Temane (15%).

 

A expansão de Secunda, que precederá o projecto Mafutha, consumirá mais de 60 milhões de GigaJoule anualmente, o que exigirá que a Sasol aumente rapidamente a actual extracção de gás natural em Temane de 120 para 183 PJ, visando uma meta de 240 PJ em fase posterior.

 

Para o efeito, a Sasol completou já uma campanha de prospecção em Moçambique e espera abrir mais 27 furos a partir de Abril 2008 num programa combinando prospecção e exploração.

 

Num outro desenvolvimento, a Sasol aprovou recentemente um investimento de Rand 2.5 biliões relativo à construção de uma central 280 MW em grande parte alimentada pelo gás que é actualmente desperdiçado em Secunda (gas flaring).

 

xitizap

é uma iniciativa editorial privilegiando a energia,

e a sustentabilidade ambiental

 

… a divulgação da astronomia, e outros tópicos da ciência popular

 

nota sobre " usos justos "

esta webpage poderá conter imagens e citações sujeitas a direitos de autor, cuja utilização não haja sido especificamente autorizada pelo proprietário desses direitos. XITIZAP torna esta webpage disponível na tentativa de fazer avançar o entendimento da sustentabilidade ecológica e outras questões de justiça ambiental. XITIZAP considera que isto constitui uma utilização justa do material sujeito a direitos de autor tal como prescrito nas secções relevantes das leis planetárias.

Contudo, se porventura XITIZAP houver utilizado involuntariamente qualquer material sujeito a direitos de autor, solicita-se ao detentor desses direitos que traga o assunto à nossa consideração por forma a que o devido reconhecimento seja feito. Caso V. Excia. queira utilizar materiais eventualmente sujeitos a direitos de autor para propósitos que ultrapassem um "uso justo", deverá então obter permissão por parte do detentor desses direitos.

 

Intermitências da Corte

 

 

porque se um acento pode alterar tanta coisa,

imagine-se o que podem as palavras fazer.

 

Confúcio Costa

 

em http://intermitenciasdacorte.blogspot.com/