xitizap # 20

Web em perigo?

corrida ao titânio

titanopólio

van Gogh e os astros

rapidinhas

links & downloads

rapidinhas

 

a EDM e Inhambane

 

Segundo reporta o suplemento económico do Notícias, técnicos da EDM aproveitaram um recente congresso promovido pelo IEEE em Durban para inquirirem a SEB (Swaziland Electricity Board) quanto aos resultados da instalação de “pára-raios” em linhas de transmissão. Ainda segundo o Notícias, a aproximação à SEB visa tentar melhorar as condições de funcionamento da famosa linha 110 kV Infulene-Lindela (Inhambane). Uma linha que, apesar dos larguíssimos milhões que custou, persiste em mostrar exóticos comportamentos técnicos – sobre este caso, leia edições anteriores de xitizap de há 2 e 3 anos.

 

 

Eskom e os metais

 

A Eskom confirmou conversações com alguns consumidores-chave da indústria de alumínio e ferro (e fundição em geral) com o objectivo de reestruturar acordos tarifários que utilizavam referencias dos preços internacionais desses produtos. E confirmou ainda que, sempre que possível, abandonará esse tipo de contratos.

Segundo Thulani Gcabashe (CEO da Eskom) este tipo de instrumentos tarifários, forjados durante os anos 1990’s, deu origem a uma significativa volatilidade dos balanços financeiros na sequencia da introdução, por parte da Eskom, de novos standard contabilísticos que insistem em justos ajustamentos de valor para todos os chamados derivativos incorporados.

 

agosto 2005

 

 

transportes públicos urbanos

 

O preço do crude tem vindo a subir,

e os donos dos chapas fazem o mesmo às tarifas dos transportes.

 

Apertados pela magreza dos salários, e sem recurso a alternativas de transportes públicos, os utilizadores manifestaram-se, mais ou menos violentamente.

 

Em resposta, o governo decidiu a imediata importação de 70 autocarros convencionais (USD 7 milhões), e o início da conversão para gás natural de algumas unidades de transporte colectivo, em regime experimental.

 

Contudo, de muito maior alcance me pareceu uma outra iniciativa: a imediata reposição da circulação dos comboios urbanos nas linhas Machava-Maputo e Marracuene-Maputo. Uma alternativa que, por ignotas razões, havia sido abandonada ... há muito.

 

Pena é que não se tenha posto mais sal estratégico nesta decisão, e que nada tenha sido dito quanto à possível electrificação dessas ferrovias (com automotoras eléctricas) - ou mesmo de outras vias urbanas (para trolleys e/ou clássicos eléctricos). E não será por falta de exemplos já que, na vizinha África do Sul, ainda há poucas semanas o DoT (Departamento de Transporte) anunciou o duplicar do orçamento dedicado à estratégia urbana de comutação ferroviária.

 

Opções de comutação que, em meu entender, talvez sirvam melhor o futuro – como aliás o referi em Março 2003, altura em que o espectro do petróleo já pairava sobre o bolso popular.

 

E na senda dos transportes públicos urbanos, muito em breve xitizap publicará algumas das reflexões de Mogovolas sobre dois tópicos: (i) os veículos híbridos (eléctricos/combustão) em 2010 e (ii) a transição para a economia do hidrogénio; que futuro em 2020?

 

 

josé lopes

agosto 2005

no regresso de Mogovolas

 

ps— há dois anos e meio xitizap publicou:

  Maputo 2010   e    Dream City ?

 

EDM

arte e engenho em Ressano Garcia ?

 

se alguém se enganar no dimensionamento de um gasoduto, será isso um erro irreversível?

 

Nem sempre!  a acreditar numa notícia que circula nos mentideros a propósito de uma hipotética transferência para Ressano Garcia da turbina diesel (24 MW) actualmente instalada na EDM-Maputo.

 

A confirmar-se a notícia, não só Maputo ficará desprovido de qualquer backup de geração eléctrica como se recriará um proverbial ensinamento: se o gás natural não consegue chegar à turbina EDM no fim do gasoduto, então transfere-se a máquina para o princípio do pipeline – mais exactamente para a fronteira com Komatiport, a 75 km de distancia.

 

Esta engenhosa engenharia tem como objectivo penetrar o febril mercado de escassez de ponta da Eskom.

 

Entretanto, e para que não haja desagradáveis surpresas, recomenda-se vivamente a análise da viabilidade da transferência, e dos planos públicos da Eskom / NIRP para a região Komati.

 

 

Centrais a Gás

 

Eskom – primeiras centrais OCGT em Abril 2007

 

A Eskom e Siemens celebraram recentemente um contrato turn-key no valor de 1.86 biliões de Rand relativo à instalação de sete módulos OCGT que serão repartidos por duas centrais – uma em Atlantis (588 MW) e outra em Mossel Bay (440 MW). O custo total destas duas centrais, que deverão entrar em serviço em Abril 2007, é estimado em 3.8 biliões de rand (aprox USD 590 milhões).

 

Namíbia – uma CCGT em Kudu

 

A Nampower, a para-estatal eléctrica da Namíbia, lançou um concurso para pré-qualificação de instituições financeiras com vista à concepção e subscrição do financiamento de uma central de ciclo-combinado (CCGT 800 MW) utilizando o gás natural de Kudu.

Com um custo global na ordem de USD 1.2 biliões, a Central CCGT de Kudu, que será a primeira na África Austral, deverá entrar em serviço durante 2009, caso se concluam os arranjos financeiros durante a segunda metade de 2006. A central permitirá à Nampower colmatar as necessidades energéticas da Namíbia, actualmente dependente da África do Sul, para além de se instalar como potência exportadora no mercado eléctrico regional (África do Sul e Angola).